sábado, 12 de abril de 2014

O que bonecas de pano tem haver com leitura?




Tudo. Nas palavras de Bia Bedran " a estrela é o livro", e sempre será. E "deve ser" mesmo. Independente da parafernália que o professor/contador tiver nas mãos. 
Fantoches são lembrados sempre e concordo: ótimos recursos na contação de histórias. A questão é que não precisamos nos prender exclusivamente a eles.
Kiara Terra nos ensina a usar a imaginação de tantas e quantas formas ela surgir (acho fantástico) com cacarecos inusitados, tecidos, descobertas no ato da história. 

E as bonecas?

Quando alguém me diz "não sei desenhar nada" eu finjo que acredito e desafio a rabiscar algo. Sempre sai "algo". 
O mesmo para contar histórias e costurar. Até um menino de quatro anos eu faço costurar. Acontece que os "pontos de alinhavo" de cada um é como nariz: Cada um tem o seu!
No mundo artístico, no universo lúdico tudo tem sua própria razão ou ausência dela. Tudo é subjetivo porque é um espaço para isso mesmo: liberdade! Livres para criar, recriar, transformar, inspirar, recontar...
Não há ausência 100% de regras, nem tampouco exaustão delas. Alguns passos são precisos seguir. Costurar, por exemplo, requer um certo treino, persistência... Mas não é preciso se tornar a melhor bordadeira do Brasil para se divertir com alguns pontinhos simples e criar ou representar personagens favoritos dos livros que amamos.

Inspire-se com Bia:


E vale também aproveitar o talento de quem tem habilidades para tal. É a união de habilidades, uns tem para contar histórias, outros para simplesmente costurar. E pensadores para "costurar ideias". (Risos)
Por essas e outras, pensando aqui com meus botões pedagógicos e costurísticos comecei a lembrar do número de professoras/educadoras que buscam uma boneca de pano para representar um clássico personagem de Ana Maria Machado: A tal menina bonita do laço de fita!

O encanto te pica como mosquito a partir do conto. É tanta magia, é tanta doçura que só de imaginar uma linda boneca representando parte disso já causa euforia nas crianças e principalmente nas contadoras de histórias. Esse "brilho no olhar" que um querido amigo tanto admira e identifica que incentiva os pequenos a se apaixonar pelo mundo da leitura. Não é nenhuma fórmula ou receita exata. É arte. É Marte. É mágica. É "coisa" que só entende quem é mordido. Quem descobre um jeito de olhar com outro olhar... Você entra por uma porta, sai pela outra de um jeito que já não será mais o mesmo de quando entrou.

Minha Menina Bonita Do Laço de Fita...
(Esta eu fiz hoje com os moldes da linda Regina Moreno, artesã especialista em patchwork  e bonecas maravilhosas)


Retalhos da vovó ou mamãe, linha, tesoura, agulha... Dá pra inventar um monte. Não precisa sair comprando cousas e lousas.
Deixo hoje aqui um molde simples não para causar suadeira de "tenho que fazer igual". Mas para inspirar e compartilhar algo que descobri ser tão prazeroso quanto ler: Fazer bonecas. Que viram bonecos, lobo-mau, gnomos, carneiros... Quando não fica muito "do jeito que a gente queria", vira monstro, bicho papão... Daqueles que tem medo da princesa, porque ela deve ter um "dente"! "Tira ela daqui mãaae"!! (Tu Toca o Quê?)

O MOLDE
Dá pra fazer toda à mão. O vestidinho ou roupinha a gente cria, recria, inventa, reinventa...

Assistir um vídeo pode ajudar! Regina Moreno ensina o passo a passo... Mas para nós educadoras tudo pode ser bem mais simplificado, para que a nossa galerinha participe auxiliando na costura, montagem... Eles curtem muito! 



De tecido eu aproveitei restinhos de malha preta e algodão para o vestidinho. Eu uso algodão acrílico siliconado, mas para aproveitar tudo mesmo, faço o enchimento até com retalhinhos.
Linha simples, tinta para detalhes. Lã, a cor que quiser.
Mãos à obra! E logo o coelho branco vem por aí...


Beijo enorme.
Suzue



Vídeo e imagens: Reprodução e arquivo pessoal

3 comentários:

Participe! Dê seu pitaco, publique sua dúvida e sugestões!